Tamanho do Texto:
A+
A-

Profetas

Publicado por Frei Venildo Trevizan | 27/01/2018 - 00:01

Conhecemos muitos professores que sentam em suas cátedras e derramam enxurradas de conhecimentos pessoais, de experiências adquiridas e de projetos muito interessantes. Conhecemos muitos teóricos em educação, em filosofia e em religião. Conhecemos muitos aventureiros com suas teorias, suas fantasias e suas imaginações.

Estão faltando pessoas que se misturem em suas comunidades e participem em suas buscas de conhecimentos, em seus anseios de liberdade e em suas tentativas de conhecer a verdade sobre cultura, sobre política e até sobre religião.

Estão faltando pessoas que aceitem caminhar com o povo sofrido, explorado em sua fé, traído em seus sonhos e pisoteado em suas esperanças. Esse é um povo que acreditou em promessas e foi traído. Esse é um povo que confiou em seus lideres religiosos e acabou explorado em seus anseios de felicidade e de vida plena.

Estão faltando profetas. Estão faltando homens e mulheres que caminhem com o povo simples, escutem seus anseios, ajudem a pensar saídas, animem os desanimados, confortem os desiludidos, iluminem suas mentes e realizem seus sonhos. Homens e mulheres depreendidos de si e comprometidos com a justiça e a verdade.

Estão faltando sábios. Existem muitos dotados de grandes conhecimentos. Existem muitos investidos de inúmeras técnicas. Existem muitos capacitados em suas especialidades. Mas lhes falta a sabedoria. Falta a simplicidade no ouvir, humildade no falar e segurança no agir. Falta deixarem que a luz do amor de Deus encha seu coração de alegria, sua inteligência de sabedoria e seus gestos de simplicidade.

O Mestre dos mestres, em seus peregrinar por esse mundo, chegou a uma cidade e, como era costume, entrou na Sinagoga para as tradicionais orações. Apresentaram-lhe um homem perturbado em sua mente e sofrendo terrivelmente em sua alma. E o Mestre o libertou para espanto de todos e o devolveu à família.

Diante do acontecido espalhou-se um comentário entre o povo que o deixou intrigado: “O que é isso? Um ensinamento novo, dado com autoridade: Ele manda até nos espíritos maus e eles obedecem!” (Mc. 1,27) Diante disso aconteceu que muitos mudaram seu modo de pensar e seguiram o Mestre.

Somos necessitados de Mestres, de pessoas seguras em seus princípios, iluminadas pela fé, fortalecidas em suas convicções e disponíveis no serviço aos menos instruídos e menos queridos. E só os mestres serão capazes disso por não serem pretensiosos, mas por serem simples e humildes.

Não mostram que sabem. Convencem pela simplicidade no relacionamento e pela paciência no agir. Não tem pressa. Sabem e aceitam prosseguir nos caminhos da aprendizagem respeitando as limitações de seus seguidores.

O mundo precisa de pessoas felizes. Pessoas que irradiem bem estar, que revelem alegria em seus olhar, maturidade em seu pensar e muita fé em seu agir.

O mundo está precisando de profetas que auxiliem as pessoas a acreditarem que são felizes, a superarem suas dúvidas e saborearem suas conquistas, pois Deus as quer assim.

Sobre o autor
Frei Venildo Trevizan
Sacerdote. Nasceu no ano de 1939 em Paraí-RS. Filho de Ângelo Trevizan e Carmela Richetti.