Tamanho do Texto:
A+
A-

Respeito ao Sagrado

Publicado por Frei Venildo Trevizan | 03/03/2018 - 00:01

Todo o ser humano, por natureza, tem suas características próprias, seu jeito pessoal de encarar e trabalhar a realidade, seu modo especifico de cultivar dons e qualidades e até de trabalhar defeitos. Não existe ser humano perfeito. Só Deus é perfeito. Disso todos sabem.

O que está faltando com certeza é reconhecer essas limitações e essas imperfeições pessoais. E, ao reconhecer, entender que todo o ser humano é feito à imagem e semelhança de Deus. E, por isso, é um ser sagrado. E tudo o que realizar também levará a marca de sagrado.

Infelizmente essa verdade não está sendo reconhecida por todos. Ainda existem profanações e desprezos. Existem os que continuam fazer do ser humano apenas um objeto e objeto descartável. Enquanto servir, enquanto for útil usam e abusam. Quando não tiver mais serventia será jogado ao abandono e será descartado como objeto qualquer.

Paira sobre a sociedade uma nuvem cinzenta de desrespeito ao sagrado. Estão demolindo a dignidade do ser humano. Estão destruindo realidades sagradas em seres queridos e amados por Deus. Estão prostituindo seres inocentes e indefesos. Estão matando esperanças. Estão abusando de tantas criaturas que humildemente aceitam os maus tratos para poderem sobreviver.

Essas crueldades clamam aos céus na esperança de conseguirem respeito e sobreviverem dignamente. Diz a Bíblia sagrada que o Mestre dos mestres em certa ocasião entrou no Templo para suas costumeiras orações. Logo na entrada deparou com comerciantes e vendedores explorando a inocência e a fé dos peregrinos, vendendo oferendas por preços abusivos.

Diz o livro sagrado que o Mestre fez um chicote de cordas e expulsou toda essa gente inescrupulosa e aproveitadora. E com toda a autoridade de um homem de Deus falou: “Tirem isso daqui, e não façam da casa do meu Pai uma casa de negociantes” (Jo. 2,16).

Essa casa não era apenas o Templo onde todos iam orar e louvar a Deus. Era principalmente a casa sagrada morada do Senhor, vida e corpo de cada ser humano que para lá se dirigia a fim de prestar seu culto ao Deus da vida e ao Deus de amor. Via que os peregrinos não gozavam de liberdade. Eram forçados a adquirir as oferendas que os vendedores impunham e cobravam taxas exorbitantes.

E isso não agradava a Deus. Na verdade tudo o que desagrada ao ser humano desagrada também a Deus. Tudo o que ofende a dignidade humana afasta de Deus. O amor de Deus quer estar presente em cada coração humano, pois todo o ser humano é morada de Deus.

Ao ver uma casa profanada, ao ver um coração ferido, Deus se mostra indignado e exige reparação e conversão. Não aceita ser abusado em sua bondade. Não aceita ser traído em sua generosidade. Não aceita ser desprezado em sua amizade.

Quer ver todos sendo tratados com o mesmo amor, a mesma bondade e o mesmo respeito. Quer ver “sua casa”, que somos nós, sempre bem cuidada, sempre bem limpa e sempre acolhedora. Quer que seus filhos e filhas sejam amados e respeitados em sua forma de viver e em seu direito de sonhar e se alegrar.

Sobre o autor
Frei Venildo Trevizan
Sacerdote. Nasceu no ano de 1939 em Paraí-RS. Filho de Ângelo Trevizan e Carmela Richetti.