Tamanho do Texto:
A+
A-

A busca da verdade

Publicado por Frei Venildo Trevizan | 17/03/2018 - 00:01

Existem muitas verdades que desafiam a capacidade da inteligência humana. Desfiam porque os seres humanos são seres mortais, muitas vezes ousados apegando-se a um certo numero delas e imaginando que seriam os melhores e mais perfeitos entre os humanos.

Enquanto isso acontecer estarão reduzindo o universo em pequenos mundos cercados de limitações e alimentados pelas ilusões. Perdem, em grande parte, o prazer de saborear as delicias de um coração iluminado pela fé e sustentado pela certeza de que está caminhando em busca da verdade, pois somente ela o tornará livre.

Continuam, no entanto, os que ferrenhamente se apegam a certas ilusões julgando estarem no caminho certo e construindo um mundo muito pessoal garantindo sua realização plena. Questionados por algum sensato não admitiriam a possibilidade de se equivocarem. Não admitiriam erro julgando-se eleitos para um mundo fantástico.

Mas nem tudo é como alguns sonham. Algumas pessoas estudiosas ouviram falar a respeito de um sábio e mestre chamado Jesus. Resolveram ir à sua procura. Não se sabe se por respeito ou por medo preferiram buscar um dos seus seguidores solicitando que os conduzisse até o mestre. O desejo era justamente para entender porque era tão procurado e tão questionado.

E o mestre os acolheu e mostrou-lhes claramente que não bastava ouvir algo a respeito da verdade. Mas era preciso assumi-la, trabalha-la e difundi-la. E seria preciso colocar a própria vida a serviço dos demais, pois “quem guardasse a vida para si iria perde-la. E quem a colocasse a serviço dos demais iria conserva-la para a vida eterna” (Jo. 12,25).

Parece até que o mestre não tratasse a vida como um valor, mas apenas como um objeto a serviço de algo pouco conhecido do povo. Mas aí está o grande desafio para a iniciativa humana. Os homens pensam em privilégios e ele pensa em desprendimento. Os homens pensam em garantias pessoais e ele pensa em serviço. Os homens pensam em ganhos e ele pensa em gestos em favor dos humilhados.

Analisando com humildade percebe-se que o pensar humano está muito longe do pensar de Deus; o querer humano não se compara com o querer de Deus; o planejamento humano nem de longe se aproxima do plano de Deus.

Com certeza existem muitos pensando ser difícil essa aproximação, ou esse enquadramento com o querer de Deus. Mas aquelas pessoas que já vivem essa realidade estão aí para garantir que, não apenas será possível, mas é acima de tudo algo que conforta o coração e contribui para uma paz de espírito sem limites. E a felicidade de quem encontrar esse caminho da verdade o fará sumamente vitorioso.

Esses amam a verdade. Dela se alimentam e a celebram no dia a dia. Nada terão a temer, pois tudo será luz, força e motivo de dar graças, pois a verdade é o próprio Deus, amor infinito.

E os humanos que a ele se aliarem farão parte do grande povo que sabe estar sempre a caminho. Sabem também que a meta a alcançar já se encontra viva em seus corações.

Sobre o autor
Frei Venildo Trevizan
Sacerdote. Nasceu no ano de 1939 em Paraí-RS. Filho de Ângelo Trevizan e Carmela Richetti.