Tamanho do Texto:
A+
A-

Amor de Mãe

Publicado por Frei Venildo Trevizan | 12/05/2018 - 00:01

Amar é e será eternamente atributo de quem gera vida, cultiva valores e constrói esperanças. Em toda parte acontecem manifestações de carinho, de gratidão e de elogios àquela que denominamos mãe e mestra da vida: nossa mãe.

Não importa a classe, a cor da pele e os títulos. Ela é e será sempre mãe para quem tem um coração marcado pelo amor e pela delicadeza de suas mãos que acolhem, que afagam, que acariciam e que apontam caminhos possíveis. Mãos que afastam perigos. Mãos que superam dificuldades. Mãos que abrem clareiras para os sonhos tão valiosos para quem esteja em busca de algum valor

Nossa homenagem não fica apenas em elogios a essa figura. É tambem manifestação de alerta quanto à situação em que se encontram tantas mulheres que, além de gerarem vidas, assumem a responsabilidade de conduzir e sustentar uma família. São pessoas heróicas que não medem sacrifícios em favor dos seres humanos que não tiveram como escolher onde e como nascer. E não têm como sobreviver.

Essas mulheres certamente não recebem elogios por seus atos corajosos. Possivelmente são questionadas pelo número elevado de filhos, pelas condições de vida e pelos problemas que causam à sociedade hipócrita. Sociedade essa que busca a cada dia mais se isolar e se fechar em condomínios para não ser importunada em seu esconderijo de conforto e bem estar.

Assim mesmo queremos deixar claro nosso carinho e nossa gratidão àquela que nos gerou, nos educou e nos encaminhou nos valores morais e espirituais. Colo de mãe é colo sagrado. Colo de mãe é livro de aprendizado e de sabedoria. Colo de mãe é altar de acolhida e de oferenda. Colo de mãe é caminho que leva a Deus. Colo de mãe é mesa sagrada de comunhão com o mundo e com Deus.

Ser mãe é tão importante que o próprio Deus quis uma para si. E escolheu alguém, não pelos títulos, mas pela generosidade em acolher e pela humildade em servir. Escolheu alguém que colocou seu coração à disposição daquele que a chamou: “Eis a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a sua palavra’.

Ao ser solicitada para ser mãe recolheu-se no silencio e na meditação. Ao gerar o Salvador da humanidade o fez com generosa disponibilidade e desprendimento. Ao ver o filho crescer em idade e estatura guardava tudo meditando em seu coração. Ao presenciar milagres louvava o Pai no recolhimento. Ao perceber as calúnias e os insultos dos inimigos perdoava não se queixando com a espada trespassando seu coração

Quando contempla o Filho com a cruz às costas e crucificado, imaginamos que ela poderia dizer que sua missão fora realizada. Porém, recebe uma outra missão: ser mãe da humanidade: “Mulher, eis aí teu filho”. A partir daquele momento tornou-se mãe de todos nós.

Mas teve a glória estampada em seu semblante ao reencontrar o Filho ressuscitado. Ninguém falou disso. Ninguém mencionou.porque sabemos que o verdadeiro e sumo prazer é celebrado no íntimo do coração de quem tudo doou na gratuidade e na humildade. Ser mãe é ser Maria.

Sobre o autor
Frei Venildo Trevizan
Sacerdote. Nasceu no ano de 1939 em Paraí-RS. Filho de Ângelo Trevizan e Carmela Richetti.