Tamanho do Texto:
A+
A-

Chamados a viver

Publicado por Comunicação Brasil Central | 16/12/2017 - 00:01

O viver é um aprendizado permanente. A pessoa não escolhe de quem nascer, nem onde nascer e nem como nascer. Não escolhe a cor dos olhos, o sexo e a nação. Ao nascer inicia uma trajetória de descobertas e de aprendizados. Tudo deverá ser aprendido e selecionado com o passar do tempo.

Essa seleção será feita de acordo com a capacidade adquirida mediante a convivência com as demais pessoas e junto aos acontecimentos que irão definindo a maneira e os meios de construir a historia pessoal. É preciso entender que ninguém nasce sabendo. Tudo deverá ser aprendido. A inteligência necessitará de exercícios constantes para poder definir atitudes a serem assumidas e conceitos a serem elaborados.

Algo maravilhoso irá acontecendo na medida das descobertas. O encanto fará parte decisiva perante essas descobertas. Pois permitirá situar-se nesse universo de belezas e de grandezas semeadas pelas mãos generosas do Criador. Não só ele (Deus), mas o próprio ser humano irá assumindo essa arte de tambem criar algo que o engrandeça e recompense seus sonhos de artista. Ele se tornará o artífice do próprio viver.

Não poderá esquecer a verdade de que todo o ser humano navega em meio à diversidade de opções e de oportunidades. Deverá aprender a escolher. Deverá chegar ao ponto em que tudo passará pelo crivo da escolha. E a escolha exigirá renúncia e aceitação. Renúncia de algo que queira interferir. E escolha daquilo que garantirá a segurança necessária para a opção tomada.

Assim cada ser humano irá caminhando em seu caminho. O caminho é o jeito nobre de construir os valores necessários para definir sua personalidade. E essa precisará ser forte para não se deixar aprisionar pelas dúvidas ou pelas inseguranças, terá a missão de diferenciar-se dos demais para ser única e original.

Não poderá esquecer que se encontra em permanente aprendizado. Quanto mais avançar em conhecimentos, tanto mais deverá ter a humildade de aceitar as diferenças intelectuais. Quanto mais avançar em idade, tanto mais deverá ter a sabedoria de ocupar alegremente o espaço que lhe for proporcionado e as atividades que lhe forem permitidas.

Algo muito importante precisa ser lembrado: o cuidado com o envelhecimento do corpo não poderá interferir no espírito. O espírito precisará ser alimentado com bons pensamentos, com atitudes saudáveis e com gestos amáveis. Nada a lamentar. Em nada desanimar. Tudo respeitar. O possível trabalhar. O permitido amar. E em tudo louvar. Sempre abençoar. As fraquezas perdoar. As necessidades selecionar. As esperanças sonhar. Na dor louvar. Tudo o que for belo, puro e engrandecedor abraçar. E a vida plenificar.

Esse sonho de plenitude deverá estar sempre vivo na mente e no coração, seja qual for a idade ou as condições em que se encontra. Afinal, a vida não tem fim. Quanto mais for feito para torná-la saudável, tanto mais a convivência será amável.

O belo e o grandioso estarão sempre vivos nos gestos e nas atitudes de quem se orgulha em fazer parte dessa humanidade obra admirável de Deus.

Sobre o autor
Frei Venildo Trevizan
Sacerdote. Nasceu no ano de 1939 em Paraí-RS. Filho de Ângelo Trevizan e Carmela Richetti.