Tamanho do Texto:
A+
A-

O tempo

Publicado por Frei Venildo Trevizan | 02/06/2018 - 00:01

O fator tempo inquieta e perturba muita gente. É comum ouvir lamentações e queixas a respeito da falta de tempo em vista das inúmeras atividades agendadas, devido ao cargo que ocupa, os projetos elaborados e as programações em pauta.

O tempo parece ser o vilão do momento presente. Muitas parecem ser as dificuldades em organizar e dispor para preencher as exigências e as aspirações programadas. A queixa a respeito da falta de tempo é comum em todos os empreendimentos e iniciativas.

O pior acontece quando marca uma consulta médica, ou uma entrevista de cunho qualquer, e há atraso no atendimento. O nervosismo e a ansiedade tomam conta do sistema nervoso. E não haverá outra posição a ser tomada a não ser aguardar. Mas nem todos conseguem coordenar seus sentimentos e suas atitudes. Haverá reclamações e protestos exigindo satisfação.

Não será fácil controlar e aceitar. Afinal, ninguém é de ferro. Todos têm suas razões de viver e viver bem. Viver com satisfação em seus empreendimentos e em seus objetivos. Viver sabendo que poderá organizar seus compromissos e suas atividades com prazer e com o tempo necessário para seu conforto e satisfação.

Não haverá como programar os imprevistos. Esses serão acidentes no caminho. E será necessário parar e reprogramar para não decepcionar; será preciso controlar seus nervos e suas atitudes. Afinal, ninguém nasceu para sofrer ou fracassar. Todos nascem para serem felizes e para plenificarem seus projetos e seus sonhos.

E haverá tempo para tudo e para todos. Tanto os moradores de rua quanto os que residem em condomínios dispõem do mesmo tempo. Tanto os analfabetos quanto os estudiosos dispõem do mesmo tempo. Tanto os operários quanto os patrões dispõem do mesmo tempo. Tanto os doentes quanto os sadios, tanto os pecadores quanto os santos, tanto os bons quanto os maus, todos dispõem do mesmo tempo.

O tempo é o mesmo para todos. Não há quem tenha mais tempo, ou menos tempo. Ele é igual para todos. No livro do Eclesiastes encontramos uma das mais sabias aclamações a respeito do tempo. Diz o autor sagrado:

“Debaixo do céu há momento para tudo e tempo certo para cada coisa: tempo para nascer e tempo para morrer. Tempo para plantar e tempo para arrancar a planta. Tempo para matar e tempo para curar. Tempo para destruir e tempo para construir. Tempo para chorar e tempo para rir. Tempo para gemer e tempo para dançar. Tempo para atirar pedras e tempo para recolher pedras. Tempo para abraçar e tempo para separar, tempo para procurar e tempo para perder. Tempo para guardar e tempo para jogar fora. Tempo para rasgar e tempo para costurar. Tempo para calar e tempo para falar. Tempo para amar e tempo para odiar. Tempo para a guerra e tempo para a paz. (Ecl. 3,1-8)

O tempo existe e está disponível para aquilo que cada qual sonha ou planeja fazer. Não é privilegio de ninguém. Não favorece e nem exige. É generoso e prestativo. É o mesmo para todos. O tempo é de Deus e da vida que cada qual recebe e define em seu caminhar por esse mundo rumo ao eterno. Lá não haverá mais tempo e nem limites. Só o amor.

Sobre o autor
Frei Venildo Trevizan
Sacerdote. Nasceu no ano de 1939 em Paraí-RS. Filho de Ângelo Trevizan e Carmela Richetti.