Tamanho do Texto:
A+
A-

Conversão Ecológica (II)

Publicado por Frei João Carlos Romanini | 10/08/2015 - 10:03

Em continuidade ao texto precedente, intitulado “Conversão Ecológica (I)”, acrescento outros elementos de reflexão e de ação, ainda com base na Carta Encíclica Laudato Si', do Pontífice Francisco. Faz jus prosseguir com o manifesto que veio em boa hora e exorta que o homem não é rival dos homens nem dos seres da criação. É de opinião geral que Francisco pauta uma preocupação mundial: o cuidado com nossa casa, a Terra.

Para a continuidade do planeta Terra a encíclica propõe uma revolução na concepção de ecologia e a mudança na ideia de desenvolvimento econômico mundial, enquanto ainda é tempo, para não amargar consequências irreparáveis num futuro próximo. Alerta também que a Terra e tudo que vive sobre sua superfície correm perigo enquanto o ser humano continuar se portando como inimigo do homem e da natureza.

Com este foco o conteúdo da encíclica destaca desde as primeiras páginas que a necessidade de cuidado advém de maus hábitos humanos e da fragilidade da natureza. Aponta que a verdadeira compreensão ecológica não se separa da justiça para com os pobres.

É preciso abertura a categorias que transcendam a linguagem das ciências exatas e da biologia, levando ao contato com a essência do ser humano. Entender que o mundo é maior que um problema a resolver, um mistério a ser apreciado e respeitado. A tarefa de proteger a nossa casa comum incluiu o desafio de unir toda a família humana na busca de um desenvolvimento sustentável e integral, um apelo por uma nova solidariedade universal.

Francisco apresenta o conteúdo da proposta em eixos temáticos, integrando novos elementos para a reflexão e para a mudança de hábitos e práticas. Os principais são: A relação entre os pobres e a fragilidade do planeta; A convicção de que no mundo tudo está interligado; A crítica ao paradigma e às formas de poder que derivam da tecnologia; O convite a buscar outras maneiras de compreender a economia e o progresso; O valor próprio de cada criatura; O sentido humano da ecologia; A necessidade de debates sinceros e honestos; A grave responsabilidade da política internacional e local; A cultura do descarte; A proposta de um novo estilo de vida.

A encíclica finaliza evocando o exemplo de Francisco de Assis que celebra com alegria o encontro com todas as criaturas. Sem esta postura, o Planeta Terra, nossa casa comum, pede socorro! Mudar, no sentido de conversão ecológica, é preciso para entoar o cântico: “Louvador sejas, meu Senhor, pelo nosso planeta!”

 

Sobre o autor
Miguel Debiasi

Miguel Debiasi, é membro da Província dos Freis Capuchinhos do Rio Grande do Sul,  Mestre em Filosofia e Teologia  Autor  de textos, artigos e crônicas. publicou o livro Teologia da Tolerância – um novo modus vivendi cristã, publicado em 2015 pela ESTEF, Escola de Espiritualidade e Teologia Franciscana. Atualmente é pároco da Paroquia Cristo Rei de Marau e Conselheiro do Governo Provincial, eleito no dia 04 de setembro de 2014.