Tamanho do Texto:
A+
A-

Maria, ícone por excelência da maternidade divina.

Publicado por Paulo Henrique | 09/05/2016 - 09:53

Maio é com certeza para toda a Igreja um mês Mariano. A presença de Maria é permeada em nossas ações pastorais, litúrgicas e devocionais. Neste Ano Santo Extraordinário da Misericórdia, faz-se ainda mais necessário salientar a importância de Maria como testemunha fiel para viver na alegria a ternura do nosso Deus e Pai, revelada na face de Jesus, o Rosto da Misericórdia.

Maria é o ícone por excelência da maternidade divina. O mistério da Encarnação a uniu definitivamente à missão de seu Filho. Em seu ventre o Filho de Deus foi formado e recebeu um rosto humano, revelando a face misericordiosa do Pai. Deus se reconhece no olhar maternal de Maria, pois vindo a este mundo, ao abrir os olhos, o Menino Deus contemplou o primeiro rosto humano, o de sua mãe. “Ninguém, como Maria, conheceu a profundidade do mistério de Deus feito homem. Na sua vida, tudo foi plasmado pela presença da misericordia feita carne. A Mãe do Crucificado Ressuscitado entrou no santuário da misericórdia divina, porque participou intimamente no mistério do seu amor” (MV 24). Dessa maneira Maria é associada de modo todo particular ao mistério da Redenção.

A maternidade divina gera em nosso tempo e em nossa história o Eterno. O seu cântico de louvor, no limiar da casa de Isabel, foi dedicado à misericórdia que se estende “de geração em geração” (Lc 1,50) e assim Maria nos associa nessas palavras proféticas. Isso conforta-nos o coração, pois nos sentimos unidos a Mãe do Salvador, que voltando os olhos para cada um de nós, novamente contempla o rosto do Filho Jesus.

O pecado, mesmo o mais deformante, não impede de iniciar uma vida de conversão, pois Deus não nos trata como criminosos, mas como pecadores. Bem sabemos que um criminoso é um pecador, mas nem todo pecador é um criminoso. Deus não nos corrige com punições e castigos, Jesus nos revela que Deus é um Pai misericordioso, até mesmo para os ingratos e maus (cf. Lc 6,35).

Assim, de “geração em geração”, somos alcançados pela misericórdia divina, pois temos diante de Deus, Maria, sua própria Mãe que intercede pelos pecadores. Neste sentido, a Cruz de Cristo é a Porta da Misericórdia, pela qual todos um dia atravessaremos e não o faremos sozinhos, ao lado da Cruz, temos a presença da Mãe da Misericórdia. Maria de pé, ao lado da Cruz de Cristo, nos auxilia na travessia para uma vida plena de sentido, sua ternura abraça todos os que pela Porta da Misericórdia atravessam, Ela é auxilio seguro e advogada nossa. Deus a instituiu como Aquela que nos recepciona, acolhe e incentiva na superação do medo de nos entregar com confiança nas mãos do Pai.

A Mãe de Deus e nossa, nos atesta com toda segurança sua imprescindível ajuda, “dirijamos-lhe a oração, antiga e sempre nova, da Salve-Rainha, pedindo-lhe que nunca se canse de volver para nós os seus olhos misericordiosos e nos faça dignos de contemplar o rosto da Misericórdia, seu Filho Jesus” (MV 24).

Sobre o autor
Frei Claudemir Vialli

Frade Menor Capuchinho da Província de São Paulo, Frei Claudemir é natural de Birigui-SP. Ingressou no seminário no ano de 1994, no Santuário São Francisco de Assis - Penápolis-SP, tornando-se sacerdote em 16 de outubro de 2004 no município de Birigui-SP.