Necrologia

Selecione o Mês:

Frei Fidélis de Avezzano

10/05/1887
19/08/1935

Avezzano -L'Aquila - Itália

 

Frade Capuchinho da Província de Abruzzo(Itália), foi hóspede na Província de Sabóia(França).

 

Registro
Tornou-se frade capuchinho na Província de Abruzzo. A vestição deu-se no dia 22.08.1902. Os primeiros votos no dia 01.09.1903. A profissão perpétua, no dia 04.10.1910. Foi ordenado presbítero no dia 30.06.1912. Durante a primeira guerra mundial foi oficial do exército italiano. Culto, bem apessoado e brilhante orador. Veio para a Missão Capuchinha do Rio Grande do Sul, em novembro de 1919, a pedido do frei Bruno de Gillonay. Atuou como pároco em Jaguari. No dia 26.03.1924 recebeu a obediência do Ministro Geral para pertencer a Província de Sabóia(França), como hóspede. Em 10.04.1925 regressou a Província de Sabóia, residindo em Chivasso, Piemonte(Itália). Com decreto do Ministro Geral, em 03.10.1932, foi incardinado na Província de Roma, residindo na Sardenha. Faleceu no Hospital Policlínico de Roma, no dia 19.08.1935. Contava 48 anos.

 

Informações pessoais
FRANCESCO IANNOTTA - filho de Giulio Iannotta e Saveria Iannotta.

Frei Carlos Piccinini

27/09/1884
19/08/1967

Lavarone - Tirol - Itália

 

Destacou-se pela austeridade e pelo espírito de sacrifício. De uma exemplar regularidade em todos os exercícos da vida religosa, notadamente os da piedade.

 

Registro
Emigrou com os pais para o Brasil. Instalando-se em Roca Salle, onde fez a Primeira Comunhão, em junho de 1896. Vestiu o hábito capuchinho, no dia 07.04.1905, fez o noviciado e emitiu os primeiros votos, no dia 08.04.1906, pela mãos do Pe. frei Manuel (mestre), em Flores da Cunha, onde também professou solenemente, nas mãos do Revmo. P. Frei Roberto D'Aprieu, em 11.04.1909. Trabalhou, nos serviços fraternos, no convento de Flores da Cunha(1910a1916)(1921a1923), Garibaldi(1917a1921, 1927, 1933, 1959a1967), Vacaria(1924, 1929, 1935), Porto Alegre(1931), Sananduva(1937), Marau(1939, 1950), Segredo(1945), Vila Flores(1954). Frei Carlos foi o terceiro irmão Capuchinho da Província do RS, sendo o primeiro, frei Estevão Bonet(1874/1945) e o segundo Frei Pasqual Zorzi(1881/1947). Adoentado, mas sereno e sorridente, recebeu a extrema unção administrada pelo bispo dom Aloísio Lorscheider, na ocasião do Capítulo Provincial, em Garibaldi. Era cardíaco. Faleceu no dia 19.08.1967, no Convento São Francisco. Contava 83 anos dos quais 61 de vida religiosa. A missa de corpo presente foi celebrada pelo Bispo Auxiliar de Caxias do Sul, Dom Frei Cândido Maria Bampi (colega de noviciado) e, concelebrada pelo Padre Provincial e seu Conselho. Foi sepultado no jazigo dos Frades Capuchinhos, em Garibaldi/RS

 

Informações pessoais
À Pia Batismal - GIOVANNI DÉCIMO SECONDO PICCININI - filho de Guerino e Emilia Piccinini.

Frei Zeferino Rossetti

24/08/1925
19/08/2015

     Frei Zeferino Rossetti faleceu às 5h30 desta quarta-feira, 19, de falência de múltiplos órgãos, no Hospital da Unimed, em Caxias do Sul, onde estava internado há 90 dias, desde o dia 20 de maio passado, com insuficiência cardíaca, infecção urinária e deficiência respiratória. Era irmão capuchinho com 66 de profissão religiosa na Ordem.

     Filho de João Rossetti e Hermínia Didoné Rossetti, nasceu em 23 de abril de 1925, em Caxias do Sul, e foi registrado com o nome de Augusto. Foi batizado na Capela N. Sra. da Saúde pelo Pe. Orestes Valetta. De uma família de 16 irmãos/ãs, dos quais ainda vive o irmão Francisco, de 87 anos, frei Zeferino era irmão dos capuchinhos freis Ivo e Elói, falecidos, respectivamente em 2005 e 2013.

     Aos 22 anos, ingressou no Convento dos Capuchinhos em Flores da Cunha. Também em Flores da Cunha vestiu o hábito capuchinho no ano seguinte, quando fez o noviciado. Em 6 de janeiro de 1949 professou os votos religiosos tornando-se irmão capuchinho e assumindo o nome de frei Zeferino de Caxias.

A vida de frei Zeferino foi dedicada aos serviços fraternos na cozinha dos seminários (onde preparava refeições para quase 300 seminaristas), nas hortas dos conventos, no cuidado de parreirais (onde ensinava aos seminaristas o trato das parreiras) e na cantina de vinho.

Viveu e trabalhou nos seminários de Ipê e Veranópolis a maior parte de sua vida; dois períodos em Ipê e três em Veranópolis. Em Veranópolis, no entanto, por três períodos, o primeiro de 13 anos, o segundo de seis e o terceiro de 30 anos, de 1972 a 2001. Nos 49 anos que viveu e trabalhou em Veranópolis, além de seu testemunho de oração e trabalho, destacou-se nas atividades do cuidado de parreirais e na cantina produzindo excelentes vinhos. Em Veranópolis dedicou-se também à música e ao canto pastoral. Sabia tocar teclado e dirigiu um coral de crianças, tendo, inclusive, se apresentado na então TV Difusora, no programa “Missa pelo 10”.

Também viveu e trabalhou nos conventos de Garibaldi, Flores da Cunha e Ijuí, além da granja São José, em André da Rocha. Enquanto teve forças e saúde, trabalhou intensamente durante 55 anos. Somente em 2005 veio residir em Caxias do Sul: durante sete anos na Fraternidade São Maximiliano Kolbe, Desvio Rizzo, e, desde 2012, recebendo cuidados de saúde na Casa São Frei Pio, junto à Fraternidade Imaculada Conceição. Nos últimos 15 anos frei Zeferino teve problemas com o trato urinário, fibrose pulmonar, cirurgia de próstata, cirurgia de coluna, AVC transitório e crescente dificuldade para caminhar, permanecendo boa parte do tempo no quarto e na capela da Casa S. Frei Pio.

Em janeiro de 1999 celebrou o jubileu de ouro de vida religiosa, junto com outros sete capuchinhos, entre eles os bispos, hoje eméritos, Dom Clóvis Frainer e Dom Osório Bebber. A solenidade aconteceu em Flores da Cunha por ter sido o local onde fizeram a profissão dos votos.

Frei Zeferino foi um religioso que dedicou sua vida ao trabalho duro, mas soube, na sua alegria e simplicidade, ser o homem da oração e do silêncio.

Frei Alfredo Salton (Ernesto Mariano)

25/03/1911
23/08/1988

Nasceu aos 25 de Março de 1911 em Bento Gonçalves-RS. Filho de João Salton e Maria cadore. Professou em 24 de Fevereiro de 1934 em Flores da Cunha-RS e ordenado sacerdote aos 07 de Janeiro de 1940 em Veranópolis. No Rio Grande do Sul exerceu o Ministério com zelo e simplicidade em Vacaria, Itapuca, São José do Herval, Veranópolis (seminário) e Porto Alegre (Hospital). Na Província do Brasil Central em Hidrolândia, Goiânia, Anápolis e Caldas Novas, todas em Goiás. Faleceu em 1988 em Hidrolândia-GO, de esclerose múltipla.  Foi sepultado na cidade de Encantado-RS. Estava com 77 anos, 54 de vida religiosa e 48 de Presbítero. Autêntico missionário, era popular e compreensivo. Gostava do trabalho manual e tinha sensibilidade para com a natureza, descobrindo as propriedades medicinais das ervas e plantas. Ajudava as pessoas também na arte de procurar água (famosa varra), ajudando a perfurar poços.

Frei Alécio Turcatel

17/01/1946
23/08/1993

Passo Fundo - RS

 

Frade sempre disponível, às atividades designadas, dedicado e muito esforçado.

 

Registro
Ingressou no Seminário Seráfico Santo Antonio, Vila Flores, no dia 04.03.1959. A vestição no dia 07.12.1963, com o celebrante frei Basílio Miotti. Fez o noviciado e a profissão em Flores da Cunha, no dia 08.12.1964, recebendo o nome religioso de frei Amantino de Passo Fundo, nas mãos do frei Celestino Dotti. Professou solenemente, no dia 08.12.1971, em André da Rocha, sendo recebido pelo frei Carlos Albino Zagonel. Iniciou seus trabalhos, primeiramente como porteiro e tipógrafo, em Caxias do Sul(1965). Incentivado a retornar aos estudos, foi transferido para o Convento São Boaventura, Marau. Após, cursou Direito (1974-1979), na Universidade de Passo Fundo. Ao mesmo tempo, desempenhava suas funções de ecônomo na fraternidade e diretor da Rádio Alvorada de Marau. No segundo semestre de 1979, foi transferido para Caxias do Sul, atuando no depto de assessoria jurídica do Escritório Central da Província. Paralelamente, em 18.10.1988, foi nomeado diretor da Rádio Alvorada AM e Rádio Kosmos FM, hoje Maisnova FM, em Marau. Era cardíaco, por duas vezes submeteu-se a troca de válvula do coração, a última em agosto de 1988. Devido a uma forte pneumonia, foi internado, dia 23, no Hospital São Vicente em Passo Fundo, onde veio a falecer, no dia 26.08.1993, às 22h45min. Contava 47 anos. Foi sepultado no dia seguinte no jazigo dos Frades Capuchinhos, em Marau. Com a presença do provincial e dos definidores, sacerdotes, religosos, estudantes e o povo da comunidade.

 

Informações pessoais
ALECIO TURCATEL - filho de Atílio Turcatel e de Fredisvinda Jovita Bianchi

Veja Mais