Tamanho do Texto:
A+
A-

Museu de Arte Sacra dos Capuchinhos – 10 Anos de História e Arte

Publicado por Frei José Lázaro Oliveira Nunes | 13/08/2017 - 12:25

Museu de Arte Sacra dos Capuchinhos – 10 Anos de História e Arte

O Museu de Arte Sacra do Convento do Carmo, em São Luís, completou no dia 27 de julho, 10 anos de existência. Fundado em 2007 esta instituição educativo-cultural destinada à preservação da Memória da tradição religiosa dos frades capuchinhos da Província Capuchinha Nossa Senhora do Carmo, cuja criação partiu de uma iniciativa minha, quando ainda era ministro provincial dos frades.

Fui eleito provincial em 2006 e, no ano seguinte em visitas constantes nas fraternidades capuchinhas, fui encontrando peças sacras e outros objetos que retratavam um pouco a história dos frades em terras do Maranhão, Pará e Amapá.  E, então tive a ideia de reunir esses objetos em um único espaço dando às pessoas a oportunidade de conhecer a nossa história.

Sempre quando vou a São Luís faço questão de ir ao museu. E ao adentrar em seus espaços é como se fizesse uma viagem ao passado. Algumas peças me lembram do início da Província no ano de 1894, em que muitos dos que nos antecederam deram à sua própria vida em favor da missão capuchinha.

Emociona-me quando me lembro do início da construção do museu. O acervo foi primordialmente constituído de peças encontradas nas diversas paróquias capuchinhas, propus-me a pedir aos frades essas peças antigas, guardadas e esquecidas pelo tempo, com propósito de juntar tudo num só lugar e, assim contar a história dos frades capuchinhos do Maranhão, Pará e Amapá, através desses utensílios e relíquias. Por meio de um trabalho carinhoso e visionário aos poucos fui coletando as peças sacras e enriquecendo o acervo. Também paroquianos ofertaram significativas contribuições em peças e dinheiro para aquisição de outros objetos relacionados à Arte Sacra.

Seu significativo e rico acervo é formado por uma expressiva coleção de imaginária, de madeira, gesso, roca, terracota, vidro, bronze, eruditas e de cunho popular; elaborados paramentos bordados em ouro, prata e pedrarias; móveis, indumentárias riquíssimas em detalhes; uma impressionante coleção de estandartes; coleções de medalhas e terços antigos e crucifixos.  

Outras peças, que estão expostas ao visitante, recebem destaque, como por exemplo: Fotos, medalhas, estola, Cruz Episcopal, terço, casula, poltronas e homilias do Papa e agora santo João Paulo II.

No decorrer destes dez anos, foi realizada uma exposição itinerante e várias exposições temporárias. A exposição itinerante que significou um dos acontecimentos mais relevantes na vida do Museu foi à exposição realizada em 16 de maio de 2013, no Centro de Pastoral da Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na cidade de Capanema, no Pará, onde apresentou o tema “400 anos da Presença dos Missionários Capuchinhos no Brasil”.

Desde que foi inaugurado o Museu da Igreja do Carmo participa anualmente da Semana Nacional de Museus, evento promovido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), que tem divulgação em todo território nacional. Isso tudo graças a Curadora do Museu, Maria Iraci Soares Monteiro, que não mede esforços para colocar a instituição a nível nacional. A ela nossos sinceros agradecimentos.

Os temas das exposições temporárias estão sempre relacionados com a vida da Igreja e sua vivência da Fé, podendo assim destacar entre outros, as festas litúrgicas, tradições culturais, procissões devocionais, presépios, a Paixão de Cristo e santos de devoção.

O Museu está aberto ao público de segunda, a sexta, das 8h às 12h e das 14h às 18h com entrada franca, podendo ser agendados outros horários para grupos específicos com a direção do Museu.

Deus seja louvado por esta bela instituição de arte! Que cada peça de seu acervo faz jus à memória e a história dos frades capuchinhos nestas terras do Maranhão, Pará e Amapá.  Amém e aleluia!

Sobre o autor
Frei Rodrigo de Araújo

Frade Capuchinho, da Província Nossa Senhora do Carmo. Licenciado em Filosofia, Bacharel em Teologia e Mestre em Teologia Dogmática. Tem longa experiência como professor e prática pastoral, escritor de vários livros e dezenas de artigos. Atualmente é Pároco na Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Capanema-PA.