Tamanho do Texto:
A+
A-

Franciscanos reunidos deixam mensagem de indignação e esperança

23/08/2017 - 06h40
A 'Carta de Aparecida' foi divulgada ao fim do Capítulo das Esteiras, no último domingo, 6 de agosto

Frei Ederson Queiroz OFMCapAparecida (SP) – A manhã deste domingo, 6 de agosto, foi de Ação de Graças no Capítulo das Esteiras, que terminou ao meio-dia depois da Celebração Eucarística.

Frei Éderson Queiroz, o presidente da CFFB, passou para os capitulares a sua última mensagem, carregada de indignação pela atual situação do país e, ao mesmo tempo, animou os capitulares a não se acomodarem e a terem esperança. Ir. Cleusa Aparecida Neves, vice-presidente da CFFB, fez um resgate histórico do nascimento do Cefepal até a entidade de hoje e o Secretário Nacional da Juventude Franciscana, Washington Lima dos Santos, leu o documento final do encontro.

 

“É chegado o momento de recolhermos nossas esteiras e as lançarmos sobre o chão das periferias do mundo, transformando continuamente nossa maneira de Ser, Estar e Consumir em reposta aos apelos do Papa Francisco. A realidade ecológica e sócio-política-econômica do nosso país nos exige compromisso profético de denúncia e anúncio”, pede a Carta de Aparecida (veja na íntegra abaixo).

Segundo Frei Éderson, esses dias em Aparecida “a voz do Pai se fez ouvir”. “Pela boca de Frei Vitório, a voz do Pai se fez ouvir; pela boca de Frei Luiz Carlos Susin, a voz do Pai se fez ouvir; pela voz dos testemunhos, pela voz dos irmãos e irmãs do Sinfrajupe, a voz do Pai se fez ouvir. E qual a voz do Pai ouvimos neste dia?”, perguntou.

”A festa de hoje é a festa da nossa vocação. A nossa vocação é a glória, a plenitude em Deus. Não há glória e plenitude aqui porque isso é muito pouco e fugaz. A nossa glória é outra. Por isso, no caminho do descimento, no caminho da minoridade, no caminho de mergulhar nas realidades mais profundas da existência, a transfiguração acontecerá. É chegada a hora de partirmos de Aparecida. De retomarmos o nosso cotidiano e tomara a Deus que o nosso cotidiano nunca mais seja o mesmo depois deste Capítulo das Esteiras! Que possamos deixar o coração arder e, neste arder, fazer com que o ardor de Deus e por Deus contamine todas as realidades por onde vivemos!”, desejou.

CARTA DE APARECIDA:

Dessa Cidade de Aparecida, Nossa Senhora, Padroeira do Brasil, resgatada das águas de um rio, hoje poluído e degradado, nos faz eleger dentre os diversos apelos um compromisso particular com a Irmã Água. Deste modo, nos empenharemos na construção de um processo de reflexão e ação em defesa da água como bem comum, que se dará através da participação da família em jornadas, fóruns e nas iniciativas de fortalecimento dos trabalhos ligados à promoção da Justiça e da Integridade da Criação.

Tudo isso acontece, irmãs e irmãos, porque São Francisco nos ensinou que nos momentos mais difíceis de nossas vidas devemos voltar à Casa da Mãe. Ele e seus irmãos voltavam, com frequência, à pequena igreja de Santa Maria dos Anjos, a Porciúncula. Nós voltamos ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida, neste 300 anos de caminhada com os pequenos desta terra.“Óh Mãe preta, óh Mariama, Claro que dirão, Mariama, que é política, que é subversão, que é comunismo. É Evangelho de Cristo, Mariama!”, ainda assim, invocamos suas bênçãos sobre toda a nossa família e sobre um Brasil sedento de “Paz – fruto da justiça, do bem e da Misericórdia de Deus”.

LEIA A CARTA COMPLETA, CLICANDO AQUI

Fonte: Capuchinhos do Brasil /CCB

Por Paulo Henrique (Assessoria de Comunicação e Imprensa, São Paulo - SP)

Deixar um comentário
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do.