Tamanho do Texto:
A+
A-

“A ORAÇÃO É A CHAVE QUE ABRE O CORAÇÃO DE DEUS.

Publicado por Frei Adriano Borges de Lima | 09/02/2019 - 20:00

Depois de escolher os 72 discípulos (cf. Lc.10, 2) para darem continuidade à sua missão, Jesus ainda antes do envio adverte-os dizendo: “A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos”. Recordo-me de uma canção que me acompanhou em meu processo de discernimento vocacional, e trago-a para junto dessa nossa conversa. Ela começa assim:

 

♪♫Um dia escutei teu chamado, divino recado, batendo no coração ♪♫.

 

O que é vocação senão este chamado: divino e pessoal, que só percebe quem escuta o mais íntimo de si mesmo, pois Deus fala diretamente ao coração. Chamado que Deus nos faz para um estado de vida: seja matrimonial, religioso, sacerdotal, missionário... No evangelho Jesus alerta, muito há que se fazer, mas ainda poucos os dispostos a esse desafio de levar e anunciar o seu Reino. Por que temos tanto medo? Por que não escutamos esse chamado?

O Mestre sabia das dificuldades de escutar a vocação, então disse: “peçam ao Senhor da colheita que envie trabalhadores para sua colheita”. Pedi e recebereis, lembram-se? O primeiro pedido de Jesus na questão vocacional é exatamente e simplesmente pedir, clamar, rezar.

 

♪♫Deixei deste mundo as promessas, e fui bem depressa no rumo da tua mão♪♫.

 

Vocação é chamado de Deus, mas que necessita de uma resposta humana. A vocação sempre nos interpela a darmos uma resposta, e esta preenche o nosso ser. Por isso a canção exclama no refrão:

 

♪♫ Tu és a razão da jornada, Tu és minha estrada, meu guia, meu fim♪♫.

 

E neste dialogo de amor entre Deus e o ser humano uma atitude é essencial: a oração. Pois a própria oração já é dialogo! Sem ela não há escuta, fica inviável uma resposta. A oração – esta pequena atitude – que supõe confiança, esperança, gratidão. A oração está no centro do pedido de Jesus. Está no centro de toda vocação. Que bom quando ela está também no centro da oração dos fieis, em todas as comunidades, e em todos os momentos! A oração aquece o coração de quem reza e por quem se reza.

A vocação nos quer fazer melhores, levar-nos à plenitude da qual nascemos para ser. Diferente da aptidão que podemos ter para sermos um bom advogado, médico, ou talvez um professor, a vocação enquanto estado de vida quer nos levar ao melhor de nós mesmos, aonde quer que estejamos, por que o Reino pode e deve ser anunciado a todos e por todos.

Que alegria deve sentir quem entendeu que pode e deve rezar pelas vocações. É seu maior presente por alguém! Por si mesmo. Por isso a oração é essencial, pois ela nos aproxima de Deus. Ela é a chave que abre o coração do Senhor. Pela oração levamos essa chave para quem a busca e necessita. Para nós mesmos e para o próximo, quer o conheçamos ou não.

 

♪♫No grito que vem do teu povo, Te escuto de novo, chamando por mim♪♫.

 

E Jesus continua a chamar também hoje, e sempre chama, pois quer que todos nós sejamos plenamente felizes, realizados. A sua oração pelas vocações pode fazer alguém feliz, realizado, discípulo missionário de Jesus. A sua oração tem sustentado a muitos e isso é um fato: eu sou prova disso! Haverá maior missão e alegria que esta? Cultivemos essa atitude pedida pelo próprio Jesus. Construamos em nossas comunidades a cultura de rezarmos sem cessar pelas vocações. Realizemos com alegria e gratidão o pedido de Jesus.

 

Para refletirmos:

1.     Como esta em sua comunidade/fraternidade a oração pelas vocações?

2.     Na sua comunidade existe alguma iniciativa concreta pelas vocações? (Ex.: Movimento Serra Clube, Pastoral Vocacional, cultura de se rezar nas celebrações, etc).

Frei Adriano Borges de Lima, OFMCap

Sobre o autor
Frei Adriano Borges de Lima

Frade Capuchinho, Capixaba, da cidade de Viana - ES. Frei Adriano pertence a Província Nossa Senhora dos Anjos, Rio de janeiro e Espírito Santo. É graduado em filosofia e atualmente estuda teologia no Instituto Teológico Franciscano em Petrópolis - RJ, reside na fraternidade Nossa Senhora Aparecida no Bairro Quitandinha, Petrópolis - RJ.