Tamanho do Texto:
A+
A-

A necessária paz

Publicado por Frei Venildo Trevizan | 27/04/2019 - 00:01

Para os otimistas estamos num mundo cercado de boas atitudes, de sentimentos muito humanos e de luzes divinas. Tudo colaborando para uma vida saudável e feliz. Tudo contribuindo para gozar de bem-estar e de merecida felicidade.

Olhar para o céu estrelado é privilégio dos pobres. Os ricos estão de olhos fixos nos papeis, nos aparelhos, nas calculadoras, nos projetos e em tantas obras a realizar. Não tem tempo e nem como olhar as estrelas e contemplar a lua. Elas não estão nos escritórios. Então perdem a graciosidade de passar horas românticas diante do firmamento.

Essa parcela da humanidade anda muito atribulada com os negócios a serem efetuados, com os projetos a serem comercializados e com as riquezas a serem aumentadas. O tempo não é mais parceiro e muito menos amigo. Ele exige rapidez em tudo. Não dá sossego e nem oportunidade para descanso. Urge fazer, controlar e dinamizar.

Não há lugar para a paz. Não há espaço para sorrir e abraçar, para amar e sonhar. Não sobra tempo para rezar e meditar. Perderam o endereço de Deus. Perderam o rumo da intimidade e do espirito de sabedoria e de santidade. A simplicidade e a humildade estão sendo marginalizadas. Morreram os momentos de intimidade com Deus.

O que vale hoje é o poder, a posse e o prazer. Tudo precisa contribuir no sentido de alcançar o melhor espaço, o mais cobiçado título e a mais sossegada condição de vida. Mesmo que cause desgaste físico ou mental tudo terá que ser feito para obter o maior sucesso possível.

Cuidado! Não confiem muito em suas forças e em seus conhecimentos! Será mais razoável exercitar e cultivar a simplicidade, a humildade e a fé em Deus para não ter que pedir perdão e reconciliação quando as esperanças começarem perder suas forças.

Mesmo que sua fé não esteja firmemente alicerçada em Deus, é bom buscar ambientes que facilitem o recolhimento e a oração. As coisas materiais, os títulos, a posição social, tudo poderá contribuir para um aparente bem-estar. Mas a verdadeira paz se encontrará numa outra dimensão

E sabemos que somente quando o coração estiver em paz tudo o mais também estará. O relacionamento com os demais, a convivência na família, a condução dos negócios e a comunhão com Deus. Tudo se tornará mais singelo e mais leve. E a alma estará em plena paz.

Os semblantes carregados de nuvens escuras se transformarão em jardins de belas e perfumadas flores. As almas prisioneiras do pessimismo se transformarão em portas que se abrem para acolher, amar e transformar. O olhar inseguro e sombrio se transformará em luzeiro a iluminar caminhos de otimismo e de plenitude.

A necessária paz será real pelo simples fato de fomentar atitudes de desprendimento de si e compromisso com o bem e a verdade. Essa paz não será uma palavra a mais em nosso vocabulário, mas será uma escola de aprendizado dos valores que construirão uma sociedade mais humana e, ao mesmo tempo, mais divina.

Não haverá mais barreiras e nem armas. Haverá celebrações e louvores pelo sorriso sincero e pelo abraço fraterno.

Sobre o autor
Frei Venildo Trevizan
Sacerdote. Nasceu no ano de 1939 em Paraí-RS. Filho de Ângelo Trevizan e Carmela Richetti.